Posts Tagged ‘Zeca Assumpção’

Jean William. Dois Atos.

quinta-feira, maio 16th, 2019

Meus amigos, aí está o resultado de um trabalho realizado com muito amor e dedicação. Dois Atos, dois CDs. Jean William é um grande artista. Agradeço a ele a oportunidade de fazer a direção artística, consultoria de repertório, além da produção e direção Musical ao lado do querido Ney Marques, e mais ainda, a sua interpretação de Estrelinha, parceria com meu velho amigo Nelson Ayres, e da Serenata, letra que escrevi em homenagem ao genial Cândido das Nevessobre a famosa melodia (Ständchen) de Franz Schubert.

CD #1

01. Noche Ronda (Agustin Lara & Maria Tereza Lara)

Participacão: Fafá de Belém

Arranjo e piano : Ruriá Duprat

02. Amor em Lágrimas (Claudio Santoro & Vinícius de Moraes)

Arranjo e piano: Nelson Ayres

Contrabaixo: Zeca Assumpção

03. All The Things You Are ( (Jerome Kern & Oscar Hammerstein II), com citação de Night and Day (Cole Porter/) e Fly Me to the Moon (Bart Howard)

Participação: Alissa Sanders

Arranjo e piano: Nelson Ayres

04. Estrelinha (Nelson Ayres & Edgard Poças)

Arranjo e piano: Nelson Ayres

05. Hymne a L’amour (Marguerite Monnot & Edith Piaf)

Arranjo e piano: Ruriá Duprat

Violões: Webster Santos

Acordeão: Marinho

06. Poema dos Olhos da Amada (Paulo Soledade/ Vinicius de Moraes)

Arranjo e piano: André Mehmari

Suíte dos Pescadores (Dorival Caymmi)*

O Mar, O Bem do Mar, Canção da Partida, Adeus da Esposa, Temporal, Cantiga da Noiva, Velório, É Doce Morrer no Mar, Canção da Partida.

*Todas as composições são de autoria de Dorival Caymmi, exceto É Doce Morrer no Mar que é parceria deste com Jorge Amado.

Montagem da suíte: Edgard Poças

Arranjo e violoncelo: Jaques Morelenbaum

Violão: Marco Pereira

Contrabaixo: Rodolfo Stroeter

Percussão: Caito Marcondes

Côro dos Pescadores: Jean William, Edgard Poças e Roberto Teixeira

Participações: Mônica Salmaso, Céu e Paula Morelenbaum

Orquestra de cordas:

Violinos: Adriana José de Melo, Alex Braga Ximenez, Cristina Cabral Fernandes da Costa, Fernando H.Travassos da Rosa, Heitor Hideo Fujiname, Luiz Britto Passos Amato, Marcos Henrique Scheffel, Nadilson Martins Gama, Otávio Scoss Nicolai, Pablo Zappelini de Leon, Paulo Calligopoulos, Ricardo Bem Haja da Fonseca.

Violas: Alexandre de Leon, Daniel Pires da Silva, Fábio Taguaferri Sabino, Roberta Lizandra Marcinkowski.

Cellos: Adriana Cristina de B. Holtz, Dimas Goudaroulis, Gustavo Pinto Lessa, Patrícia Mendonça Ribeiro.

Contrabaixo: Ana Valeria Poles de Oliveira.

Gravado nos estúdios:

Gravodisc: Engenheiro de áudio: Elcio Alvarez Filho, Assistente de estúdio: Gabriel Teixeira, Edição: Guido Baldacin

Estúdio Flautin 55: Engenheiro de audio: André Malaquias

Estúdio de André Mehmari

CD #2

01. Una furtiva lagrimada Opera L’elisir D’amore, de Gaetano Donizetti, com libreto de Felice Romani*

02. Ardir ah forse il cielo, voglio direda Opera L’elisir D’amore, de Gaetano Donizetti, com libreto de Felice Romani*

Dueto com Davide Rocca

03. Chiedi all’aura lusinghierada Opera L’elisir D’amore, de Gaetano Donizetti, com libreto de Felice Romani*

Dueto com Federica Vitali

04. Libiamo, Libiamo, da Opera Rigoletto de Giuseppe Verdi, com libreto de Francesco Maria Piave*

Dueto com Federica Vitali. Participação do Coral Luther King

05. Bella Figlia Dell’amore, da Opera Rigoletto de Giuseppe Verdi, com libreto de Francesco Maria Piave*

Quarteto com Federica Vitali, Adriana Clis, Jean William e Davide Rocca

06. Melodia Sentimental, de A Floresta do Amazonas, Heitor Villa-Lobos. Letra de Dora Vasconcelos**

07.  Serenata (Standchen), de Franz Schubert. Letra: Edgard Poças**

Orquestra Filarmonica Bachiana Sesi – SP:

Flauta: Ana Maria Gaigalas, Carlos Eduardo, Gomes de Souza

Clarinete: Leirson C.Maciel, Tiago José Garcia

Oboé: Gerson Quirino De Abreu, Wainer C. De Carvalho

Fagote: Eliseu Silva Nascimento, Osvanilson de Castro Ferreira

Trompa: Douglas Rodrigo Bruno da Costa, Eduardo Gomes da Silva, Rafael de Paula Nascimento, Vitor Ferreira Neves

Trompete: Adenilson Roberto Telles, Wellington de Souza Pinto

Trombone: Marcos Antonio Pacheco N. Junior: Marcos Henrique de Paula: Tiago Azevedo De Araújo

Tuba: Gustavo de Jesus Campos

Contrabaixo: Rafael Rodrigues da Silva, Thiago Hessel De Paula, Thiago Paganelli de Oliveira

Percussão: Daniel Dias de Lima, Natali Calandrin Martins

Violino: Ana Camila Castilho Bordino, Anderson Alves Tavares< Andréa De Araujo Campos, Andressa dos Santos Matheus, Carolina Camargo Duarte, Cintia Nunes Leite de Camargo, Davi Ricardo Mirada Gama, Dorin Serban Tudoras, Eduardo Augusto de Almeida Silva, Eduardo M.Leite de Camargo, Fellipe Moreira Santarelli, Flávio Geraldini, Hanry Dawson Oliveira Ribeiro, Hudson F.Gorzoni Pires, Israel Fogaça Junior, Jonathan Souza Cardoso dos Santos, Natalia Portilho Mattos, Pedro Roberti Gobeth, Renato Marins Yokota, Sara Silva de Oliveira

Viola: Danielle Lima de Andrade, Denise de Freitas Fukuda, Elisa Graciela Ribeiro, Everton Rodrigues de Souza, Francisco Ederson F.Pereira, Tiago Vieira Rocha

Violoncelo: Alice Mayumi Michetelli, Franklin Martis Chaves, Rafael Victor F.Fernandes, Thais Camargo Duarte, Túlio Padilha Pires, Wellington Ramos

Coral Luther King: Sira Milani, Wagner Dias, David Matias Salim Neto, Roberto Mendes Barbosa, Cintia Derio, Daniel Giffoni, Daniel José Lopes, Daiane Scales Cezario, Alba Stela Zilahi, Alex Mastropasqua, Andréia Balbino, Antonio Martins Neto, Carolina da Silva, Irene B. Moreira dos Santos Kabengele, Débora Maclean, Denise Sacchetto, Dina Valeria Milani, Enilde Borges Costa, Francisca Monteiro de Oliveira, Garbo Aranyi, Gustavo Manzani, Ione A. Rodrigues de Souza, Jacira dos Santos Costa, Joanice  Cerqueira Fonseca, João Afonso Filho, Larissa Acelina Casemiro de Queiroz, Geni Aparecida Barbosa, Luisa Ventura Giraldez, Fernandes dos Santos, Mariana Anacleto, Milena M. De Andrade, Nivaldo Marcelino, Paulo Rogério Jacovick, Rodrigo Garcia, Rodrigo Wagner de Freitas, Rogério Tabyra, Rosana Taketomi de Araújo e Victor Ribeiro de Oliveira.

Gravado ao vivo na Sinagoga Shalom

Engenheiro de audio: Gato

Edição: Guido Baldacin

Fotos da capa : Danilo Mantovani

Projeto Gráfico: Aldeia Idéias

Direção de Arte: Paulo Hardt/ Matheus Hardt

Produção Fonográfica: Dabliú

Gerencia de Produção: Tatiana B.Librelato

Produção Executiva: Zezito Marques da Costa

Direção Artística e Consultoria de Repertório: Edgard Poças

Produção e Direção Musical: Edgard Poças e Ney Marques

Direção de Produção: Fred Rossi

Documentário fotográfico das gravações:

Ruriá Duprat, Fafá de Belém, Edgard Poças e Jean William

Vídeo produzido por Vando Mantovani, no estúdio Gravodisc.

Noche de Ronda : Jean William e Fafá de Belém

Mestre Radamés Gnattali.

terça-feira, janeiro 27th, 2015

Radamés Gnattali nasceu em 27 de janeiro de 1906 e faleceu em 13 de fevereiro de 1988, mas está vivinho da silva, aqui no blog do Degas.

Ajoelhe-se e ouça o mestre tocando o seu Noturno:

 

A condução é que é o X do problema. É Radamés. Radar!

Compositor, arranjador, maestro, pianista, pessoa angelical.

Segundo Jobim:

 

Meu amigo Radamés é coisa melhor que tem

É um dia de sol na floresta, é a graça de querer bem

Radamés é água alta, é fonte que nunca seca

É cachoeira de amor, é chorão, é rei da peteca

Deu sem saber que dava e deu muito mais que tinha

Multiplicaram-se os pães, multiplicou-se a sardinha

O Radar é concertista, compositor, pianista, orquestrador, maestrão

E, mais que tudo, é amigo, navega junto contigo

É constante doação

Ajudou a todo mundo, e mais ajudou a mim.

Alô Radamés, te ligo

Aqui fala o Tom Jobim

Vamos tomar um chope

Te apanho na mesma esquina

Já comprei o amendoim.

 

Meu amigo Radamés • Tom Jobim, do CD Antonio Brasileiro.

Meu querido Zeca Assumpção, irmão, contrabaixista, apresentado por Paulinho Sarraceni, num fim de tarde num boteco carioca, para substituir o falecido Vidal, baixista do fabuloso quarteto do mestre gaúcho carioca, conta seu primeiro papo com maestro:

– Você lê música?

– Sim maestro! (Zeca havia estudado na Berklee Scholl of Music e trabalhado com Tom Jobim, Hermeto Pascoal, Egberto Gismonti e dezenas de outras feras).

– Você conhece minha Suíte Popular Brasileira?

– Não maestro, infelizmente não conheço…

– Conhece algum concerto?

– Não, (constrangido) não conheço maestro…

– Alguma suíte?

– Olha maestro (Zeca, sem graça), eu não conheço nada da sua obra.

Radamés (no seu jeito mal humoradamente carinhoso): – Não está perdendo nada!

Aprovado, para fazer um ensaio, Zeca, corajosamente, confessa ao Radar:

– Eu não sei tocar samba maestro!

– Não se preocupe, voce vai aprender!

Sunça do rabecão conta que, num ensaio para uma gravação, um músico, se achando, dirige-se ao mestre, partitura em mãos, e num tom pretenciosamente confidencial:

– Maestro, o senhor tocou errado essas duas notas…

Rada saca rápido a caneta, corrige as notas e:

– Agora está certo!

Zezé Gonzaga era a cantora favorita de Radamés Gnattali

Zezé, o maestro e o Camerata Carioca faziam temporada num Teatro João Caetano que estava em obras. Radamés, reclamava de tudo, do calor, do ar poluído, do barulho dos operários, do desconforto dos camarins, tudo com seu habitual mau humor.

Zezé que do seu camarim ouvia tudo enquanto se maquiava pediu paciência, que tudo se arranjaria, e na hora do show os problemas estariam resolvidos.

Radamés inconformado dispara: “

– E você Zezé, vai ser afinada assim na puta que o pariu!

  

Zeca Assumpção foi premiado com uma composição do grande Radamés. Aqui está o Remexendo sequenciado pelo Zeca:

O Radar e o Anjo.

 

 

 

 

 

 

As rosas não falam, mas sorriem.

Sérgio Mineiro. Saudade.

quinta-feira, julho 13th, 2006

Zeca Assumpção me apresentou Sérgio Mineiro lá pelos idos de 1966 e foi amizade à primeira vista. O Sunça tocava contrabaixo no São Paulo Dixieland Band, o Sérgio e eu tocávamos violão de festa. Rolaram grandes papos e solos, aquele acorde, aquele baixo, João, Tom, MilesMingusMonk, etc…  acompanhados do inefável Juanito el Caminador, Red Label. O Divino Centeio conforme de Moraes.

Uma desavença besta nos afastou quarenta anos. cruzamos em agências de publicidade, neca de papo, cumprimentos formais. Para piorar éramos  concorrentes. Sérgio, dono do bem sucedido estudio MCR e eu compondo para diversos estúdios -Bandeirantes, Cruzeiro do Sul, JV, Vice e Versa, Eldorado, Norte Magnético e mais tarde para minha firma, a Klaxon.

Quarenta anos de não sei quantas trilhas, jingles, spots, vinhetas (e provas) depois – recebo o telefonema:

– Edgard Poças?

– Sim, quem vai falar?

– É Sérgio Mineiro. Tô aqui com um jingle pra voce cantar. Vai ficar bonito  na tua voz.

Era a hora, aquela em que a gente não pode negar fogo, peguei o gancho fui e cantei.

Nunca mais deixamos de nos encontrar, pelo menos duas vezes por semana. Uma para o ensaiar o show que escrevi para gente cantar, contar histórias, beber durante, e outra para almoçar no Espírito Santo desfiando o bacalhau e o tempo na companhia do fervilhante casal Garcia.

Sérgio, emérito mineiro, contador e gostador de histórias, adorava repetir as mesmas com arranjos diferentes. Ouvi as tantas e ri como se fosse a primeira.

Incorporou ao seu repertório a frase que o Otto Lara Rezende definiu a mineirice:

– Edgard, ser mineiro é não tocar nesse assunto!

De repente parou com os ensaios, os almoços continuaram, mas, sem tocar no assunto do show, até sua morte recente. Pra mim toda morte de alguem querido é recente.

As partituras estão numa pasta que nunca mais abri. Às vezes dá vontade de fazer o show sozinho, num boteco qualquer ao lado de uma cadeira vazia.

Teu jingle.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

 

 

Uma parceria com Maurício Novaes em sua homenagem:

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Vagabundo,

deslizando na canção,

a bossa, o mundo

céu e mar…

Dia de luz, festa de sol

e ter tempo pra sonhar…

– Olha, é como o verão!

Tambem bate um coração.

Saudade.

Penalty • Brasil na Galera

terça-feira, janeiro 3rd, 1978

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Para Copa de 78

Jingle: 1 minuto

Autor: Edgard Poças

Agencia: MCP

Arranjo: Nelson Ayres

Paiolletti e Buda (trumpetes), Bolão (sax e clarinete), Bill e Pantera (trombones), Costita (Sax alto e Clarinete), Demetrio (sax), Zeca Assumpção (baixo), William Caran (bateria), Toniquinho (percussão)

Canto: Titulares do Rítmo

Locução: Ferreira Martins

Gravado nos estudios da RCA (rua Dona Veridiana) em fevereiro de 1978

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Zeca Assumpção e Edgard

Edgard e Nelson Ayres

Bolão e Costita

Zezito Marques da Costa e Edgard

Chrysta • Motores de Popa

sexta-feira, abril 4th, 1975

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Chrysta • Motores de Pôpa Chrysler

Jingle 30′

Agencia: Marques da Costa Propaganda

Cantores:  Claudio Leal Ferreira, Cecilia Santos Teixeira e Edgard Poças

Músicos: Nelson Ayres (piano), Zeca Assumpção (baixo), William Caran (bateria) e Roberto Sion (flauta)

Gravado no estúdio Cruzeiro do Sul em 1975

 

Meias Sok. Malhas Penalty e Os Cantores de Rádio.

domingo, março 23rd, 1975

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Jingle 30” • Os Cantores do Rádio

Agência: Marques da Costa Propaganda

Musicos: Nelson Ayres (piano), Zeca Assumpção(baixo), Roberto Sion(clarinete), William Caran(bateria)

Cantores: Claudio Leal Ferreira, Cecilia Santos Teixeira, Edgard Poças

Locutores: Odair Batista, Carlos Cintra Mauro (Lua) e Edgard Poças

Gravado no estúdio Cruzeiro do Sul em março de 1975