Archive for novembro, 2018

Dia da música.

quinta-feira, novembro 22nd, 2018

Recebi essa música da direção artística da gravadora CBS. A idéia que eu fizesse uma letra e eles convidariam Ney Matogrosso pra cantar, no que seria o quarto LP da Turma do Balão Mágico tendo em conta o sucesso de Djavan com a turma (Superfantástico) no segundo disco e Roberto Carlos (É tão lindo) no terceiro.

Escrevi a letra num domingo a tarde, descendo a serra de Campos do Jordão pra São Paulo. Gosto dela até hoje, mas, infelizmente o Ney Matogrosso não gravou.

Nunca soube se ele soube disso.

Fica aqui a gravação homenageando o dia mundial da música. E a lembrança do meu querido amigo Lincoln Olivetti que fez o belíssimo arranjo.

Não dá Pra Parar a Música

(H.Beloto – Phil Hort – B. Whiterhead – J. Morali – Edgard Poças)

Brinca no compasso

Dança no teu passo

Anda pela rua

Terra, sol e lua

Ritmo que está aqui, agora, lá

A todo momento

Não pode parar

 

Jeito de falar

Tempo que passar

Ritmo, magia, diz a melodia solta pelo ar

Em qualquer lugar

Música pro mundo girar

 

Sim é mesmo incrível

A música é invencível

Pra cantar o amor, espantar a dor

De verdade, amor, a felicidade

 

Sim, é mesmo incrível

A música é invencível

Toda emoção

Pura sensação

Viva voz do coração

 

Música no céu

Música no mar

A maré n’areia

Ritmo na veia

Ritmo de ser

Mesmo sem querer

A melodia bonita de viver

 

Ritmo do som

Ritmo da luz

Mostra tua força

Canta tua força

Música, canção

Oração no ar

Música pro mundo girar

Dia da Bandeira

segunda-feira, novembro 19th, 2018

Dia da Bandeira

Mário Lúcio de Freitas e Edgard Poças

19 de Novembro

É o Dia da Bandeira

Quatro cores, aquarela

Dessa terra brasileira

Canta, canta, minha gente!

Esse canto juvenil

A presença,

A lembrança do Brasil

Canta, canta, minha gente!

Esse canto juvenil

Estandarte, pavilhão

Dessa terra do Brasil

Verde das matas

Ouro do sol

Céu  azul

E o esplendor do Cruzeiro do Sul!

É verde, amarelo, azul e branco

Canta, canta a emoção

Recebe o afeto que se encerra

Em nosso coração!

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Querendo gravar entre em contato.

Voz: Mário Lúcio de Freitas

Aprendi no excelente livro Guia Politicamente Correto da História do Brasil, de Leandro Nardoch, ed. Leya, que o “verde e o amarelo de nossa bandeira vieram de duas famílias. Verde simbolizava a família Bragança de D. Pedro I e o amarelo a família dos Habsburgo, família da princesa Leopoldina”  e que “é um mito a idéia de que essas cores foram inspiradas na natureza brasileira”. Ou seja, os fatos provam o contrário do que diz a minha letrinhas, mas, perdoem a imodéstia: pior para os fatos!

Mindinha de Villa-Lobos

sábado, novembro 17th, 2018

Em 1974, convalescendo de uma terceira cirurgia corretiva na mão esquerda, entusiasmado com a possibilidade de voltar a estudar as peças do mestre, fui ao Rio de Janeiro conhecer o Museu Villa-Lobos; quem sabe não voltava a São Paulo com um convite para um estágio na Universidade de Cascadura?

O convite não veio, mas em compensação levei um papo inesquecível com Dona Mindinha, mulher do grande Villa, a quem ele dedicou, entre outras dezenas de peças, os Cinco Prelúdios Para Violão e as Nove Bachianas Brasileiras. 

Mindinha contou que numa noite em Nova York, Villa lhe convidou para assitir a um grande compositor, esse sim!, que iria se apresentar ao piano. O lugar, segundo ela era bem mixuruca, e o músico, numa pindaíba danada, era nada mais nada menos que Béla Bartók!

Coincidentemente, Villa-Lobos e Bartók tinham ouvido absoluto; compunham sem usar nenhum intrumento, ou seja, tudo na cuca.

Perguntei a ela se conhecia Antonio Carlos Jobim.

– Sim, claro tem melodias lindas, e ama a obra de Villa-Lobos. Uma ocasião esteve em casa, lá pelos anos 50, bebia bem esse moço, na hora da despedida perguntou brincando :

– Maestro, vende pra mim a ária da Bachiana Nº5?

O Villa riu e gostou. 

Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim que amava a música de Villa-Lobos, estava começando sua carreira de compositor consagrado no mundo inteiro.

 Antônio Carlos Planetário de Almeida Jobim.

Depois de um cafezinho, Mindinha foi atender alguem e eu fiquei sozinho na sala com vários pertences do nosso Villa: batutas, piteiras, lápis, borrachas, óculos, partituras e veio a tentação de roubar um lápis – com prolongador.  Mindinha voltou a tempo de frustrar o assalto ao patrimônio nacional e eu confessei minha intenção.

– Edgard, que coisa feia!

– Dona Mindinha, é que esse lápis está encantado! Com ele até eu escrevo uma sinfonia!

Pois sim…

Ganhei várias partituras e dona Arminda de Villa-Lobos, entre elas a Melodia Sentimental, e vinte e dois anos depois mostrei à Zizi Possi que gravou no CD Mais Simples.

Clique para ampliar

Villa Lobos

sábado, novembro 17th, 2018

Villa Lobos nasceu em 5 de março de 1887 e morreu em 17 de novembro de 1959.

Gênio. Índio de casaca. Formado pela universidade de Cascadura.

Sobre a inspiração:

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Grande Villa!

Modinha da Bachiana 1.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Sem palavras.

 

Viva Villa-Lobos!

sábado, novembro 17th, 2018

Hoje  é dezessete de novembro, dia em que o Indio de Casaca se despediu da tribo e deixou  um Amazonas de musica para a humanidade.

O menino Tuhú sabia que a pipa ia voar alto.

Diogo, meu pai, chegou a noitinha com o extinto jornal A Gazeta e a triste manchete – Morreu Heitor Villa-Lobos! Eu tinha 13 anos em 1959  e conhecia o Prelúdio, da Bachiana nº4 , que minha mãe  Antonietta tocava a transcrição para piano.

Por volta de 1964 havia um programa na rádio Eldorado de São Paulo cujo prefixo era uma música maravilhosa. Sabia que os intérpretes eram o Modern Jazz Quartet, pelo solo de vibrafone de Milt Jackson e o piano de John Lewis, mas e o compositor? Resolvi a questão na Eletroarte, antiga loja de discos na rua Augusta – onde eu costumava esconder  os discos de bossa nova, jazz, etc… atrás daqueles que eu imaginava pelos meus favoritos – com a ajuda do Toninho que sabia do meu truque e tambem me apresentava os ultimos lançamentos: era a ária da Bachiana nº 5, de Heitor Villa-Lobos, do LP The Sheriff . Gastei o disco. Villa-Lobos eentrou para sempre na minha seleção brasileira ao lado de Tom Jobim, João Gilberto, Pelé, Garrincha, Pixinguinha, Vinicius, Noël, Ary, Oscarito, Grande Otelo…

Aos vinte e um anos ouvi pela primeira vez os estudos e prelúdios para violão do nosso índio de casaca. O Brasil que eu sentia e não sabia explicar. Comprei as partituras e estudei que nem louco. Depois veio o Concerto para Violão e Orquestra, simplesmente o máximo. No Guia Prático, estudo folclórico musical achei a maquete  do gênio.

Tom Jobim reverenciou sua musica. Canta, canta mais, Saudades do Brasil, Brasilia, Sinfonia da Alvorada, são provas disso. Na corda da viola, em Stone Flower,  e A maré encheu, em Autopsicografia, letra de Fernando Pessoa, prováveis são lembranças dos seus estudos do Guia Prático. Se é por falta de adeus – nnazo tenho receio de dizer que fecha com uma citação do Trenzinho do Caipira.

Seguem quatro faixas do CD “Villa-Lobos e Carlos Gomes para Crianças” que produzi para a revista CARAS. São quatro Cirandinhas arranjadas pelo mestre para piano solo sequenciadas nos softwares Logic e Performer e executadas por um computador MacIntosh.

Carneirinho, carneirão

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

O Cravo Brigou com a Rosa

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Todo Mundo Passa

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

A Canoa Virou

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

A imortalidade registrada pela música

“Era um espetáculo. Tinha algo de vento forte na mata, arrancando e fazendo redemoinhar ramos e folhas; caía depois sobre a cidade para bater contra as vidraças, abri-las ou despedaçá-las, espalhando-se pelas casas, derrubando tudo; quando parecia chegado ao fim do mundo, ia abrandando, convertia-se em brisa vesperal, cheia de doçura. Só então se percebia que era música, sempre fora música.

Assim é que eu vejo Heitor Villa-Lobos na minha saudade que está apenas começando, ao saber de sua morte, mas que não altera a visão antiga e constante.
Quem o viu um dia comandando o coro de quarenta mil vozes adolescentes, no estádio do Vasco da Gama, não pode esquecê-lo nunca. Era a fúria organizando-se em ritmo, tornando-se melodia e criando a comunhão mais generosa, ardente e purificadora que seria possível conceber.

A multidão em torno vivia uma emoção brasileira e cósmica, estávamos tão unidos uns aos outros, tão participantes e ao mesmo tempo tão individualizados e ricos de nós mesmos, na plenitude de nossa capacidade sensorial, era tão belo e esmagador, que para muitos não havia outro jeito senão chorar, chorar de pura alegria.
Através da cortina de lágrimas, desenhava-se a nevoenta figura do maestro, que captara a essência musical de nosso povo, índios, negros, trabalhadores do eito, caboclos, seresteiros de arrabalde; que lhe juntara ecos e rumores de rios, encostas, grutas, lavouras, jogos infantis, assovios e risadas de capetas folclóricos”.

Carlos Drummond de Andrade

“Villa-Lobos acaba de chegar de Paris. Quem chega de Paris espera-se que chegue cheio de Paris. Entretanto, Villa-Lobos chegou cheio de Villa-Lobos.

Manuel Bandeira, na revista Ariel, 1924.

 •

Sobre a inspiração:

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Viva Villa-Lobos!

P.S.:

 

Em 1974, convalescendo de uma terceira cirurgia corretiva na mão esquerda,

entusiasmado com a possibilidade de voltar a estudar as peças do mestre, fui ao Rio de Janeiro conhecer o Museu Villa-Lobos; quem sabe não voltava a São Paulo com um convite para um estágio na Universidade de Cascadura?

O convite não veio, mas em compensação levei um papo inesquecível com Dona Mindinha, mulher do grande Villa, a quem ele dedicou, entre outras dezenas de peças, os Cinco Prelúdios Para Violão e as Nove Bachianas Brasileiras. 

Mindinha contou que numa noite em Nova York, Villa lhe convidou para assitir a um grande compositor, esse sim!, que iria se apresentar ao piano. O lugar, segundo ela era bem mixuruca, e o músico, numa pindaíba danada, era nada mais nada menos que Béla Bartók!

Coincidentemente, Villa-Lobos e Bartók tinham ouvido absoluto; compunham sem usar nenhum intrumento, ou seja, tudo na cuca.

Perguntei a ela se conhecia Antonio Carlos Jobim.

– Sim, claro tem melodias lindas, e ama a obra de Villa-Lobos. Uma ocasião esteve em casa, lá pelos anos 50, bebia bem esse moço, na hora da despedida perguntou brincando :

– Maestro, vende pra mim a ária da Bachiana Nº5?

O Villa riu e gostou. 

Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim que amava a música de Villa-Lobos, estava começando sua carreira de compositor consagrado no mundo inteiro.

 Antônio Carlos Planetário de Almeida Jobim.

Depois de um cafezinho, Mindinha foi atender alguem e eu fiquei sozinho na sala com vários pertences do nosso Villa: batutas, piteiras, lápis, borrachas, óculos, partituras e veio a tentação de roubar um lápis – com prolongador.  Mindinha voltou a tempo de frustrar o assalto ao patrimônio nacional e eu confessei minha intenção.

– Edgard, que coisa feia!

– Dona Mindinha, é que esse lápis está encantado! Com ele até eu escrevo uma sinfonia!

Pois sim…

Ganhei várias partituras e dona Arminda de Villa-Lobos, entre elas a Melodia Sentimental, e vinte e dois anos depois mostrei à Zizi Possi que gravou no CD Mais Simples.

Clique para ampliar

Assista trechos do meu depoimento para o documentário Villa-Lobos
“O Tempo e a Música”.

Villa-Lobos e Carlos Gomes para Crianças

sábado, novembro 17th, 2018

Há dez anos eu lançava pela revista CARAS o CD

Clique para Crianças

 

Pequenas peças para piano solo dos dois mestres.

Arranjos e Produção: Edgard Poças

Intérpretes: Edgard Poças e Macintosh de Moraes

Sequenciadores: Logic e Performer

Mixagem e anjo da guarda: José Antonio Almeida

Julho 2008

No post “Viva Villa!” tem quatro faixas e aqui vão mais tres.

 

A Cayumba • Carlos Gomes

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Cai cai balão • Villa-Lobos

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Final • Carlos Gomes

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Parece que o CD ainda está agradando, vejam:
https://www.youtube.com/watch?v=3D2vu4fXIfs
https://www.youtube.com/watch?v=1fQBpFiJabc
https://www.youtube.com/watch?v=oGSc0KOh_C4
https://www.youtube.com/watch?v=4ccK_KynZvw
https://www.youtube.com/watch?v=FHv4Nn83Ed4

O  CD “Villa-Lobos e Carlos Gomes para Crianças” está disponível nas plataformas: Itunes, Deezer, Spotify e outros, com nova capa.

Abraços. Edgard.