Archive for novembro, 2020

Live – Cantos da Natureza

sexta-feira, novembro 20th, 2020

Se você não assistiu no dia 21, pode rever agora, no youtube, é só clicar o quadro abaixo.

Cantos da natureza: Pau Brasil e Edgard Poças pelo selo Sesc Digital.

quinta-feira, novembro 5th, 2020
CPA:SELO SESC:Comunicação:Logos:selo sesc:selosesc_marca_131008.png

Grupo Pau Brasil comemora 40 anos com o álbum infantil Cantos da Natureza, lançado pelo Selo Sesc

Letras de Edgard Poças musicadas por Rodolfo Stroeter e Nelson Ayres, arranjadas e executadas pelos músicos do Pau Brasil evidenciam as riquezas e belezas da nossa natureza; entre os intérpretes, tem as cantoras Ceu, Marlui Miranda, o cantor Edgard Gianullo e o Trio Amaranto; álbum chega primeiro no Sesc Digital no dia 7 de outubro, e nos demais players de streaming no feriado de 12 de outubro, Dia das Crianças


Trata-se de um projeto educacional e didático que visa apresentar à criança as belezas, emoções e riquezas naturais, com o adulto na leitura das canções. Um disco a ser utilizado até mesmo nas salas de aula.

São 19 faixas que descrevem de forma muito criativa e divertida os quatro elementos da natureza – a água, o fogo, a terra e o ar –, a chuva, a nuvem branquinha, o céu cinzento, o arco-íris, o relâmpago e o trovão. Do mundo animal, um estranho mamífero que bota ovo e que tem um ferrão venenoso, mas é bonzinho. Estamos falando do ornitorrinco, um bicho que pouca gente conhece.

Todas as letras são do compositor, escritor e pesquisador Edgard Poças – criador da Turma do Balão Mágico. Entre os intérpretes, destaque para as cantoras Céu, Marlui Miranda, que já fez parte do Pau Brasil, e Maria Clara Novaes, e os cantores Edgard Gianullo, Renato Braz, Sérgio Santos e Diogo Poças, além do próprio Edgard que canta em duas faixas. Participam também o coral infantil Trovadores Mirins, sob regência da maestrina Lucila Novaes e o Trio Amaranto, de Belo Horizonte, formado pelas irmãs Ferraz, Flávia, Lúcia e Marina.

Cantos da Natureza chega em 2020, mas a sementinha do projeto começou a ser semeada ainda no início dos 1970. A história passa por Rodolfo Stroeter quando, ainda adolescente, aos 14 anos de idade, foi estudar música com Edgard Poças que desembargava em São Paulo, vindo de Portugal, após uma curta temporada no país europeu. E foram nas aulas de iniciação musical que Poças estimulou Stroeter a conhecer também o universo da literatura. A relação do letrista e compositor com o que viria a ser tornar o contrabaixista do Pau Brasil se estabelece a partir daí.

Passadas algumas décadas, Rodolfo Stroeter produzir um disco de música infantil do Trio Amaranto – que também são a gênese deste projeto do Pau Brasil –, e cujo repertório incluiu a Suíte 4 Elementos e O Ornitorrinco, também presentes neste álbum do quinteto paulista. A partir daí, Edgard e Rodolfo intensificaram o trabalho em conjunto com o objetivo de ampliar o repertório de canções. Desta vez, pensado para o grupo Pau Brasil.

“Cantos da Natureza é a celebração de um projeto infantil dentro de um contexto de um grupo de música. É a música cuidada, tratada, arranjada, executada e improvisada, ou não, por um conjunto musical que tem distinção sonora. Depois de 40 anos, o grupo Pau Brasil se tornou um som”, destaca Rodolfo Stroeter.

Das 19 músicas, vale alguns destaques começando pela Abertura Suíte 4 Elementos, onde Edgard Poças transforma em personagens os quatro principais elementos da natureza: a água, o fogo, a terra e o ar. Uma composição com enredo de musical infantil. Segundo o letrista, é a primeira vez que a música infantil se apropria da ideia de Suíte – que é reunir em uma única obra várias peças musicais.

Apresentações feitas, cada um dos elementos naturais chega na sequência com a sua própria canção. Na ordem, Água traz uma singela descrição desta substância química cujas moléculas são formadas por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio. Abundante no universo, em especial no planeta Terra, onde cobre grande parte de sua superfície com rios, lagos e mares.

Fonte de energia e risco às florestas, a música Fogo expõe as diferentes formas encontradas desta mistura de gases a altas temperaturas. Das fogueiras à lava dos vulcões, das lareiras e até mesmo à língua dos dragões. Interpretada pela cantora Marlui Miranda na companhia do Trio Amaranto, Terra lembra que vivemos no planeta que é a casa do mundo e que se trata do elemento natural que precisa dos outros três – o fogo, a água e o ar. Por fim, a mistura de gases que compõem a atmosfera da Terra. Em Ar, a letra de Edgard Poças destaca que todo mundo precisa e quer um ar puro e é por isso que dizemos: chega de poluição!

Edgard Poças relaciona todos esses aspectos da natureza para trazer um mundo melhor às crianças. A nossa natureza que é linda, viva, colorida e movimentada, é também lembrada através das flores, das estrelas, do som, do mar e até dos peixes que não são peixes.

A nuvem branquinha, o céu cinzento, o relâmpago e o trovão, a chuva e o arco-íris aparecem em forma de canções na Suíte da Chuva. Em Adivinha, Quem Sou Eu?, está o som e a sua propagação em suas múltiplas formas, presente em todos os lugares e todos os cantos. A letra de Chuva começa com uma nuvem que parece um carneirinho e, de repente, se transforma em um leão.

Com letra e interpretação de Edgard Poças, a cantiga de ninar Soneca é a composição do disco para os adultos embalarem os bebês no sono. A letra é um convite a contar, um a um, a passagem dos Sete Anões. Do sabido Mestre ao carinha amoroso que é o Feliz, sem se esquecer do engraçado do Dunga, do mal-humorado do Zangado, do faceiro e manhoso do Dengoso e do Atchim. E cadê o Soneca na terra dos sonhos?

Repertório, acesse o link abaixo.

Letras

19 faixas

Minha Terra

Dá licença dá licença

é a vez da minha terra

de cantar os seu encantos

e as riquezas que ela tem

Minha terra é tão bonita

que dá gosto a gente ver

e não há lugar no mundo

tão bom de se viver

Nosso céu tem mais estrelas

nossos bosques tem mais flores

nossa vida mais amores

e aqui eu sou feliz

Minha terra é um barquinho

navegando no infinito

minha terra meu planeta azul

você é meu país

Abertura Suíte “Os 4 Elementos”

Um, dois, três, quatro amigos

nem precisa apresentar

somos os quatro elementos

água, fogo, terra, ar

Somos muito importantes

cada qual no seu lugar

um, dois, três, quatro amigos

água, fogo, terra, ar

Água de beber, camará

fogo de acender, oleré

terra de plantar, olará

ar pra respirar

huuuuummmmm

Água de banhar, camará

fogo de queimar, oleré

terra de colher, olará

tudo pelo ar

oh….

Um, dois, três, quatro amigos

água, fogo, terra, ar

nós fazemos tantas coisas

deixe cada um contar

Nós fazemos tantas coisas deixe cada um contar

Água

Não tenho sabor nem gosto

nem cheiro, nem tenho cor

mas, todo mundo me acha

fresca, gostosa e boa

sou neve, neblina, nuvem

orvalho, gelo, vapor 

sou pingo, e também sou chuva

sereno, garoa

Sou riacho, rio, mar

cachoeira eu desço a serra

mato a sede da terra

sei lavar e cozinhar

Sou calma e movimento

lago e correnteza

doce e salgada

espelho do céu

e fonte da natureza

Não tenho sabor nem gosto

nem cheiro, nem tenho cor

mas, todo mundo me acha

Fresca, gostosa e boa

Xuê, xuê

xuá, xuá

água limpinha

pra gente tomar

Xuê, xuê

xuá, xuá

água de beber, camará

Fogo

Eu sou quente eu sou fogo

fervo e boto pra queimar

de faísca à labareda

posso até incendiar

Eu sou fonte de energia

precisando é só chamar

quando eu queimo as florestas

chama a água pra apagar

Quem souber usar

sei que vai gostar de mim

e quem se queimar

pode achar que eu sou ruim

Alegria das fogueiras

sou a lava dos vulcões

sou a dança das lareiras

e a língua ds dragões

Dos fogões, eu sou o rei

rei das velas, o pavio

eu aqueço corações

e esquento até o frio

Terra

O nome desse planeta

É o mesmo que o meu

É o meu

Por isso

A mais importante dos quatro

Sou eu

É brincadeira, estou provocando vocês

Vocês

O fogo, a água, o ar

Eu preciso dos três

Terra, a casa do mundo

O raso, o fundo

O piso, o chão

A cordilheira gigante

Poeira miúda 

Na palma da sua mão

Terra, o solo, aonde se planta

Se colhe, pra gente viver

Terra, sou fértil e sêca

Macia e dura

Até de moer

Pra me banhar

Tenho água da chuva

Do rio, e do mar

A luz do sol

E o fogo pra me esquentar

Falta um só elemento se apresentar

É o ar

Vem seu cabeça-de-vento

Sua vez de cantar

Vem seu cabeça-de-vento

Sua vez de cantar

De cantar

Ar

Ar

Huuuummmmmmm

Ar

Ar

Eu sou o ar

salve o ar

viva! viva

é tão gostoso

inspirar e expirar

Eu sou o ar

salve o ar

todo mundo quer ar puro

viva! viva

salve o ar

É por isso que eu digo

chega de poluição

o ar puro é saúde

viva! viva

seu pulmão

Eu sou o ar

salve o ar

viva! viva

é tão gostoso inspirar e expirar

Encerrramento da Suíte

Um, dois, três, quatro amigos

água, Fogo, Terra, Ar

estamos aqui para servir vocês

usem sem abusar

Um, dois, três, quatro amigos

o mais importante é nenhum

Somos quatro mosqueteiros

um por todos

todos por um

Somos quatro mosqueteiros

um por todos todos por um

O cravo casou com a rosa

O cravo beijou a rosa

debaixo de uma sacada

a rosa que era amarela

ficou vermelha envergonhada

Depois os dois se casaram

fizeram uma festança

vieram as flores belas

trazendo cores e muita dança

Alamanda, Açucena, Flor-de-Liz

Madressilva, Girassol

Tulipa

Abélia

Crisântemo, Papoula, Malmequer

Lírio, Palma, Azaléia

Begônia

Bromélia

Gerânio

Zínia

Glicínia

Brinco-de-Princesa

Orquídea

Jasmim

Gardênia

Copo-de-Leite

Sálvia

Dália

Isso sim, é que é jardim      

Petúnia! Jacinto! Violeta

todo mundo satisfeito

Margarida, Hortência, Narciso

esperando o Amor-Perfeito

Onze-Horas, com um Buquê-de-Noiva

a Camélia toda prosa no  salão

ano que vem, na primavera

vai se casar com o Dente-de-Leão

Estrelinha

Estrelinha linda

era só brilhar                          

e sonhar no azul do céu

e caiu no mar

Veio uma onda

lhe deixou na areia                             

estrelinha dormiu apagou-se

acordou sereia

Foi morar numa ilha, sozinha

cantou o seu canto encantado

pras ondas de prata trazerem             

um namorado

Piratas e aventureiros

surgiram de todos os lados

e bons marinheiros

e alguns tubarões                               

apaixonados

As ondas traziam mensagens ardentes

e bravos marujos, carinhas valentes

nenhum era seu bem amado

ninguém era o sonho acordado

Se cansou da ilha                                           

se encheu do mar                               

se lembrou de olhar o céu                             

desejou voltar 

E chorou tão triste                                        

dava dó de vê-la

mergulhou num sonho profundo

acordou estrela

Marola

A sereia não é peixe

A sereia peixe é

A sereia só é peixe

Na vazante da maré

Quantos peixes tem o mar

quem quiser é só contar

tem peixe de montão

seu badejo, seu badejo

seu badejo, seu badejo

caranguejo, não é peixe não

Quantos peixes tem o mar

quem quiser é só contar

tem peixe de montão

seu Peixoto, seu Peixoto

olho vivo seu Peixoto

boto, não é peixe não

A sereia não é peixe

A sereia peixe é

A sereia só é peixe

Na vazante da maré

Quantos peixes tem o mar

quem quiser é só contar

tem peixe de montão

seu Marinho, seu Marinho

seu Marinho, seu Marinho

golfinho não é peixe não

Quantos peixes tem o mar

quem quiser é só contar

tem peixe de montão

seu Lampreia, seu Lampreia

seu Lampreia, seu Lampreia

baleia, não é peixe não

A sereia não é peixe

A sereia peixe é

A sereia só é peixe

Na vazante da maré

Ornitorrinco

Se alguém diz que eu sou feio

eu rio e brinco

diz que eu sou esquisito

eu rio e brinco

Que eu sou isso, sou aquilo

mais aquilo, é quem me diz

sou um ornitorrinco

e muito feliz

Que é que tem, eu sou mamífero, e boto ovo

tenho um bico parecido com um pato

rabo longo achatado, que nem peixe

eu me acho muito gato

Minhas patas dianteiras se parecem asas

não tenho orelha, meu ouvido é um furinho

eu não ligo

rio e brinco

e me acho gostosinho

Tenho um esporão venenoso

pra me defender do inimigo

mas eu sou mansinho

pode se chegar, não tem perigo

Moro na toca, na margem do rio

sou bom nadador, beleza beleza

o ornitorrinco é a prova

do bom humor da natureza

Se alguém diz que eu sou feio

eu rio e brinco

diz que eu sou esquisito

eu rio e brinco

Adivinha, quem sou eu?

Adivinha quem sou eu

sei falar e sei cantar

choro, rio, assobio

só não sei é me calar

Sou ruído, sou barulho

também gosto de zoar

conto lendas e histórias

tenho muito que contar

Vivo bem em qualquer canto

sou a voz dos animais

dos motores, dos trovões

instrumentos musicais

Das sirenes, das buzinas

eu cochicho, ronco e grito

dobro esquinas

tenho eco, e me repito

Ora forte, ora fraco

vou do grave ao agudo

eu não sei guardar segredo

não consigo ficar mudo

Eu adoro um zum-zum-zum

sou um traque, sou um … pum

dou o tom… adivinhou

eu sou o som

Ilha

Mar à vista

mar à vista

maravilha

maravilha

ilha

ilha

ilha

ilha

Uma onda sorrindo

vindo te abraçar

um colar de espuma

pra te enfeitar

Mar à vista

mar à vista

maravilha

maravilha.

ilha, ilha, ilha, ilha

Uma onda sorrindo

vindo te abraçar

um colar de espuma

pra te enfeitar

Mar à vista… mar à vista

maravilha… maravilha.

ilha, ilha, ilha, ilha

terra do mar

Terra à vista, terra à vista, terra à vista

terra, terra, terra

ilha do mar

Nuvem branquinha

Olha lá no céu

o carneirinho de algodão

já não é mais ele

virou um leão

O leão cresceu

e se transformou

num dragão gigante

que se desmanchou

Nuvem lá no vento vai

nuvem lá no vento vem

no seu movimento

nuvem vai e vem

Nuvem foi pro norte foi

nuvem foi pro sul

nuvem foi no vento

virou céu azul

Céu Cinzento

O azul ficou cinzento

o céu meio zangado

as nuvens cinza também

o tempo bem carregado 

Um arrepio de vento

soprou um cheiro molhado

e sussurrou apressado

Aí vem chuva

De repente, relâmpago e trovão

(Relâmpago):

De repente eu risco o céu, faço um clarão

minha eletricidade anuncia a tempestade

chuva também, mas, nem me fale de garoa

muito menos de sereno, que eu não relampeio à toa

(Trovão):

Cabra metido! Não faz sequer um zumbido

nem ruído, um estampido

quer brincar com o trovão

não importa de que altura você venha

se eu subo a temperatura

segura a explosão

(Relâmpago):

Minha centelha corre pelo campo elétrico

sou um cabra magnético

vou das nuvens ‘té o chão

caro trovão, você faz um barulhão

mas as ondas que eu provoco

é que dão o empurrão

(Trovão):

Eu nem te ligo até porque sou teu amigo

porque penso aqui comigo

raio forte, chuva farta

preste atenção, que eu vou te dar um toque

se você me der um choque

vai pro raio-que-o-parta

(Relâmpago e Trovão):

Relampa lampa

relâmpago e trovoada

nossa vida é assim anunciar a chuvarada

vamos em frente que a estrada é bem comprida

é hora de despedida

olha a chuva minha gente

Relampa, lampa, lampa

relâmpago e trovão

é lampa, é lampa, é lampa

é lampa, é lampião

Chuva

Chove chuva chove chove

chove aqui na minha mão

Chove chuva

chuva boa

molha a rua

banha o chão

Chuva forte eu tenho medo    

se tem raio e tem trovão

mas se for chuvinha fraca

eu não tenho medo não

Chove chuva chove chove

chove aqui na minha mão

Chove chuva

chuva boa

molha a rua

banha o chão

Chove chuva

pingo pinga

canta canta no telhado

Chove chuva

chora chora

um chorinho bem molhado

Chuva forte eu tenho medo    

se tem raio e tem trovão

mas se for chuvinha fraca

eu não tenho medo não

Arco-iris

A chuva parou! Parou de chover

corre aqui vem ver

a chuva parou! olha lá no céu

quem resolveu aparecer

Arco-íris

sete cores

aquarela sorrindo

natureza anunciando

o bom tempo que vem vindo

Arco-íris

traga sempre seu tesouro

seu sorriso colorido

bom amigo

bom agouro

Arco-íris

venha sempre que quiser

você é sempre bem-vindo

venha a chuva que vier

(Recitativo)

E a chuva foi embora

longe

choveu

Céu ficou azul clarinho

olha

uma nuvenzinha branca parece um carneirinho

Soneca

São sete

São sete

São sete anõezinhos

Contei um, dois, três, quatro, cinco e seis

São sete que eu sei

E passaram só seis

Se não pinta o sete

Eu conto outra vez

É um, é o Mestre

Um cara sabido

É dois, é o Dunga

Que é muito engraçado

É três, é o Zangado

Que mal-humorado

É quatro, é o Aaaaatchim

É cinco, é o Dengoso

Faceiro, manhoso

É seis, é o Feliz, carinha amoroso

Cadê o Soneca

Só falta o Soneca em Pirlimpimpim

Bam bam bam, balalão

Pa-ra-tchim, pa-ra-tchim, paratchimbum

Bam bam bam, balalão

Pirlimpimpim, pam pum