Archive for janeiro, 2015

Mestre Radamés Gnattali.

terça-feira, janeiro 27th, 2015

Radamés Gnattali nasceu em 27 de janeiro de 1906 e faleceu em 13 de fevereiro de 1988, mas está vivinho da silva, aqui no blog do Degas.

Ajoelhe-se e ouça o mestre tocando o seu Noturno:

 

A condução é que é o X do problema. É Radamés. Radar!

Compositor, arranjador, maestro, pianista, pessoa angelical.

Segundo Jobim:

 

Meu amigo Radamés é coisa melhor que tem

É um dia de sol na floresta, é a graça de querer bem

Radamés é água alta, é fonte que nunca seca

É cachoeira de amor, é chorão, é rei da peteca

Deu sem saber que dava e deu muito mais que tinha

Multiplicaram-se os pães, multiplicou-se a sardinha

O Radar é concertista, compositor, pianista, orquestrador, maestrão

E, mais que tudo, é amigo, navega junto contigo

É constante doação

Ajudou a todo mundo, e mais ajudou a mim.

Alô Radamés, te ligo

Aqui fala o Tom Jobim

Vamos tomar um chope

Te apanho na mesma esquina

Já comprei o amendoim.

 

Meu amigo Radamés • Tom Jobim, do CD Antonio Brasileiro.

Meu querido Zeca Assumpção, irmão, contrabaixista, apresentado por Paulinho Sarraceni, num fim de tarde num boteco carioca, para substituir o falecido Vidal, baixista do fabuloso quarteto do mestre gaúcho carioca, conta seu primeiro papo com maestro:

– Você lê música?

– Sim maestro! (Zeca havia estudado na Berklee Scholl of Music e trabalhado com Tom Jobim, Hermeto Pascoal, Egberto Gismonti e dezenas de outras feras).

– Você conhece minha Suíte Popular Brasileira?

– Não maestro, infelizmente não conheço…

– Conhece algum concerto?

– Não, (constrangido) não conheço maestro…

– Alguma suíte?

– Olha maestro (Zeca, sem graça), eu não conheço nada da sua obra.

Radamés (no seu jeito mal humoradamente carinhoso): – Não está perdendo nada!

Aprovado, para fazer um ensaio, Zeca, corajosamente, confessa ao Radar:

– Eu não sei tocar samba maestro!

– Não se preocupe, voce vai aprender!

Sunça do rabecão conta que, num ensaio para uma gravação, um músico, se achando, dirige-se ao mestre, partitura em mãos, e num tom pretenciosamente confidencial:

– Maestro, o senhor tocou errado essas duas notas…

Rada saca rápido a caneta, corrige as notas e:

– Agora está certo!

Zezé Gonzaga era a cantora favorita de Radamés Gnattali

Zezé, o maestro e o Camerata Carioca faziam temporada num Teatro João Caetano que estava em obras. Radamés, reclamava de tudo, do calor, do ar poluído, do barulho dos operários, do desconforto dos camarins, tudo com seu habitual mau humor.

Zezé que do seu camarim ouvia tudo enquanto se maquiava pediu paciência, que tudo se arranjaria, e na hora do show os problemas estariam resolvidos.

Radamés inconformado dispara: “

– E você Zezé, vai ser afinada assim na puta que o pariu!

  

Zeca Assumpção foi premiado com uma composição do grande Radamés. Aqui está o Remexendo sequenciado pelo Zeca:

O Radar e o Anjo.

 

 

 

 

 

 

As rosas não falam, mas sorriem.

Ripa na Chulipa!

sexta-feira, janeiro 23rd, 2015

Composta em 1986, mas diante do que anda rolando, até que está valendo.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Ripa na Chulipa

Paul Mounsey e Edgard Poças

Céu azul anil

República do sol, do mar à mil

Pais do futebol, cadê o gol ?

Ripa na chulipa, meu Brasil !

 

Faz que vai, e vai

Balança, mas não cai

É por aí

Tupi or not Tupi

Entre outras mil

Ripa na chulipa, meu Brasil !

 

Vem! Vem sentir o calor

Quem vem pra beira do mar

Nunca mais quer voltar nunca mais

Meu Brasil, brasileiro !

 

Canta! Canta criança, canta!

Quanta esperança, tem no canto da gente

Meu Brasil !

 

Canta! Canta, nasceu o dia!

Conta que viu o sol sorrindo pra gente

Meu Brasil !

 

Céu azul anil

República do sol, do mar a mil

País do futebol, cadê o gol ?

Ripa na chulipa, meu Brasil !

 

Faz que vai, e vai

Na bola na escola e no astral

Descola o Campeonato Mundial

E ripa na chulipa, meu Brasil !

 

Eu quero ser feliz, eu quero

Eu quero seu amor, eu quero

Quero cantar:

Brasil!

Meu Brasil !

 •

Voz: Edgard Poças

 

Ilustração da minha filha Maria do Céu, a Céu.

Lincoln Olivetti. Não dá pra parar a música.

quinta-feira, janeiro 15th, 2015

Querido Lincoln

Voce estará sempre no meu coração. Escrevo ouvindo seu LP com o Robson Jorge – que suíngue! – e relembrando o choque musical que voces provocaram aqui no “bossanova”. A emoção do meu filho Diogo,  pequenininho, seu fã, vendo voce chegando aqui em casa, ao lado do parceiro genial, curioso para ver como é que é êsse negócio de Macintosh tocando sintetizadores. Levou meu Jupiter 8, da Roland e multiplicou por mil tudo que eu sabia desse negócio de Macintosh tocando sintetizadores.

Telefonemas de madrugada:

– Edgard, alguma novidade?

– Voce já ouviu o DX7?

– Não, é bom?

– A CBS mandou um pra mim; acho que voce vai gostar. E o Jupiter?

– Já está em órbita; juntei ele com outros sints num teclado só!

– E os arranjos da Turma do Balão?

– Tá tudo prontinho, voce vai gostar.

Meu amigo Lincoln, quanta bobagem escreveram a respeito da sua música “pasteurizada”, dos seus teclados ” eletrônicos”! Voce está na história como um dos maiores arranjadores da nossa música. Apontou os rumos nos anos 80, revolucionando os timbres as levadas e reinventou o som de muitos intérpretes da MPB.

Desculpe a redundância: gênio!

Não dá para parar sua música!

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Não Dá Pra Parar a Música (H.Beloto – Phil Hort – B. Whiterhead – J. Morali)

Letra: Edgard Poças

Intérprete: A Turma do Balão Mágico

Arranjo: Lincoln Olivetti

Não dá Pra Parar a Música

 

Brinca no compasso

Dança no teu passo

Anda pela rua

Terra, sol e lua

Ritmo que está aqui, agora, lá

A todo momento

Não pode parar

 

Jeito de falar

Tempo que passar

Ritmo, magia, diz a melodia solta pelo ar

Em qualquer lugar

Música pro mundo girar

 

Sim é mesmo incrível

A música é invencível

Pra cantar o amor, espantar a dor

De verdade, amor, a felicidade

 

Sim, é mesmo incrível

A música é invencível

Toda emoção

Pura sensação

Viva voz do coração

 

Música no céu

Música no mar

A maré n’areia

Ritmo na veia

Ritmo de ser

Mesmo sem querer

A melodia bonita de viver

 

Ritmo do som

Ritmo da luz

Mostra tua força

Canta tua força

Música, canção

Oração no ar

Música pro mundo girar

Rio de Janeiro • Álbum Pitoresco Musical • 1856 e 2014

domingo, janeiro 11th, 2015

Já está nas livrarias! Editada pela Edições de Janeiro. Rodrigo Alzuguir, carioca da gema, organizou e escreveu os textos. E conta a história – haja pesquisa! – clique para ampliar.

  

Capa do album original

Algumas gravuras – olha que beleza! e partituras do álbum original:

           

        

             

Duas partituras e duas gravuras  – Marechal Hermes e Gávea – do álbum 2014:

                  

Não vou postar os textos, senão voces não compram o álbum!

Todo esse trabalho foi realizado com o auxílio luxuoso de Carol Miranda.

                   

Divirtam-se:

P.S.: O Brasil está carente de amor. Mário de Andrade na gente, urgente!

Dia da Confraternização Universal • O Mundo é um Abraço

quinta-feira, janeiro 1st, 2015

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

José Antonio Almeida e Edgard Poças

Voz: Dani Boy

Clique para ampliar

Clique para ampliar